Todos os posts de Janaina

Relatório dos Danos Materiais e Prejuízos Decorrentes de Desastres Naturais em Santa Catarina

Sem título

Relatório dos Danos Materiais e Prejuízos Decorrentes de Desastres Naturais em Santa Catarina é fruto do acordo de Cooperação Técnica, celebrado entre o CEPED UFSC e o Banco Mundial, em dezembro de 2015, para execução do projeto “Estudos dos Impactos Econômicos dos Desastres no Brasil”.  

O relatório apresenta os dados relacionados aos danos e prejuízos decorrentes de desastres em Santa Catarina, a partir dos registros efetuados entre 1995 e 2014. Nesta etapa, o estudo, que contou com apoio da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável do estado de Santa Catarina, analisou  2.704 registros selecionados. Concluiu-se que o somatório dos danos e prejuízos decorrentes de desastres naturais, informados pelos municípios de Santa Catarina entre 1995 e 2014, é de 17,6 bilhões de reais, o que representa 0,90 bilhões por ano (0,4% do PIB). Enxurradas (34%) e estiagens (30%) são os fenômenos que mais provocam danos e prejuízos no estado.

  • Acesse a publicação, aqui.

História, Projetos e Dados sobre Desastres: CEPED UFSC participa do Programa TV UFSC Entrevista

 

Em comemoração aos seus 15 anos, CEPED UFSC participa do programa “TV UFSC Entrevista”. O programa, apresentado em três blocos, aborda a história de criação do Centro,  projetos desenvolvidos e  dados sobre desastres no Brasil. Participam da entrevista o prof. Antônio Edésio Jungles, Diretor do CEPED UFSC; Márcio Luiz Alves, Ex-Diretor da Defesa Civil de Santa Catarina; e Rafael Schadeck, consultor  e gestor de projetos do CEPED UFSC.

Estudos dos Impactos Econômicos dos Desastres no Brasil

Sem título

Resumo:

O projeto “Estudos dos Impactos Econômicos dos Desastres no Brasil” é fruto do acordo de Cooperação Técnica entre o CEPED UFSC  e o Banco Mundial, firmado em dezembro de 2015.

Objetivos:

  • Adaptar a Metodologia DaLa (Damage and Loss Assessment) para avaliação de perdas e danos relacionados a desastres naturais no Brasil; e
  • Elaborar relatório final apresentando os dados e informações sobre perdas e danos associados a desastres naturais no Brasil nos últimos 20 anos.

Publicação: Mobilização Comunitária para a Redução de Riscos de Desastres

mobiliza

Entende-se a  mobilização como processo-movimento que deve ser permanentemente motivado. Não se finaliza com o envolvimento das pessoas, tampouco se restringe à resposta nas situações de desastres, mas concretiza-se no contínuo de suas ações e das relações entre os diversos atores, promovendo proteção social ampliada e qualidade de vida à população.

Esta publicação tem o objetivo de descrever as etapas para realizar ações de mobilização comunitária, utilizando adequadamente as estratégias de comunicação, sensibilização e capacitação. Além disso, pretendemos abordar os mecanismos para construção de redes sociais, promovendo a articulação entre os diferentes setores sociais, especialmente as comunidades nas ações de RRD. Entendemos que a mobilização social deve buscar o desenvolvimento humano e social, integrado e sustentável, possibilitando melhores condições de vida e fazendo da Redução de Riscos de Desastres uma ação de todos nós.

Guia de Mobilização Comunitária para Ações em RRD

Livro: Curso de Capacitação S2ID: Módulos de Registro e Reconhecimento – 3ª Edição

Sem título

O Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID) foi desenvolvido em 2011 por meio de uma cooperação entre SEDEC e CEPED UFSC. O S2ID foi concebido e desenvolvido para qualificar os dados e as informa- ções sobre desastres, de maneira a fornecer subsídios à gestão de riscos e desastres no Brasil, necessidade há muito tempo identificada pelos integrantes do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (SINPDEC).

O Sistema S2ID agiliza e dá transparência aos processos de comunicação entre a SEDEC e os Estados e Municípios com relação à ocorrência de desastres. A partir do S2ID, todos os registros de ocorrências de desastres que demandem reconhecimento federal são realizados por meio digital, proporcionando celeridade às solicitações e construindo um banco de dados consistente e dinâmico sobre os desastres no país.

Durante o ano de 2014, o S2ID passou por uma reformulação visando à melhoria do processo e à inclusão de etapas que não foram definidas na primeira versão do sistema, como procedimentos de consideração, de revogação, a possibilidade de exclusão de registros realizados indevidamente e, ainda, a inserção de solicitações para grupos de município quando a demanda de reconhecimento federal é apresentada por ente estadual. Sendo assim, o livro texto da terceira edição do curso de capacitação do S2ID: módulo registro e reconhecimento disponibiliza a versão atualizada  da ferramenta com relação à nova estrutura do banco de dados e, também, de layout. 

Acesse o livro, aqui.

Acesse o Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, aqui.

Livro Interativo – “Conhecendo a Natureza Eu Previno os Desastres”

Escolas

Com textos de fácil compreensão, ilustrações cativantes e constante interatividade o livro eletrônico intitulado “Conhecendo a natureza eu previno os desastres” apresenta diferentes tipos de desastres que ocorrem em nosso país, levando à compreensão de suas causas e principais medidas de prevenção. O material foi desenvolvido pelo Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres e pelo Laboratório de Educação Cerebral, ambos da UFSC, com recursos do Ministério da Integração Nacional por meio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil.

Para acessar o conteúdo basta ir ao site e seguir as orientações. É possível utilizá-lo online ou baixar o livro para uso sem internet nas versões para Windows ou para tablets e smartphones Android. A proposta é que o livro interativo seja um material lúdico de apoio a educadores a ser utilizado em espaços escolares, ao mesmo tempo em que pode ser acessado diretamente pelos estudantes nos computadores de casa, aparelhos celulares ou tablets.

Toda sua concepção considerou as recomendações internacionais sobre a temática, e em especial as da Campanha Construindo Cidades Resilientes do Escritório das Nações Unidas para Redução de Risco de Desastres.

Livro Eletrônico – “Conhecendo a natureza eu previno os desastres

Análise do Uso e da Aplicação de Soluções a Partir de Produtos de Gestão de Risco Entregues Pelo Governo Federal de 5 Municípios de Santa Catarina: Brusque, Timbó, Palhoça, São José e Luís Alves

DSC04357

O projeto propôs produzir conhecimento sobre o perfil dos municípios quanto ao uso e aplicação dos produtos de gestão de risco entregues pelo Governo Federal entre 2013 e 2014, em especial os relacionados ao projeto Mapeamento de Riscos de Desastres, executado pelo CENAD/MI.

Projeto realizado pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil em parceria com o CEPED UFSC.

Produtos:

  • Metodologia e indicadores de avaliação do processo.
  • Diagnóstico simplificado de apropriação de produtos de gestão de risco fornecidos pelo governo federal.
  • Avaliação e intervenção com viés de pesquisa científica:
    • 1ª Avaliação (aplicação de campo, tratamento e análise de dados).
    • Assessoria técnica e capacitação de gestores públicos locais (adequada ao perfil identificado no processo de avaliação).
  • Publicação final
    • Diagnóstico simplificado, avaliação e resultados obtidos e orientações a gestores públicos municipais de 5 municípios catarinenses.

Consta, a seguir, as publicações do projeto. Boa leitura!

Metodologia e Resultados da Avaliação dos Municípios Participantes

PERFIL –  Brusque

PERFIL – Luis_Alves 

PERFIL – Palhoça

PERFIL – São José

PERFIL – Timbó

 

CEPED UFSC Realiza Workshop “Desafios e Potencialidades da Gestão Municipal na Gestão de Riscos e Redução de Desastres”

IM - Geral - CEPED UFSC horizontal, sem apoio PRINCIPAL

CEPED UFSC realizará o workshop “Desafios e Potencialidades da Gestão Municipal na Gestão de Riscos e Redução de Desastres” com os municípios participantes do projeto “Assessoria Técnica e Avaliação de Municípios” – Brusque, Luís Alves, Palhoça, São José e Timbó.

O encontro tem o intuito de discutir as questões relacionadas aos desafios e potencialidades quanto ao uso e aplicação dos produtos de gestão de risco, em especial os relacionados ao projeto Mapeamento de Riscos de Desastres, executado pelo CENAD/MI.

O evento que será realizado no dia 10 de junho, às 10:00, no CEPED UFSC, não disponibiliza inscrições de participação. Para quaisquer informação sobre o projeto, entre  em contato pelo endereço eletrônico: ceped@ceped.ufsc.br

Formulário de Avaliação de Danos e Necessidades Após Desastre

Sem título

No Brasil, o registro de ocorrências  de desastre e a solicitação de reconhecimento federal para Situações de Emergência e Calamidade Pública são realizadas por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, S2ID. No Sistema, encontra-se o  Formulário de Informações do Desastre (FIDE), por meio do qual se faz o registro da ocorrência. O FIDE solicita um conjunto de informações relacionadas aos danos e prejuízos decorrentes do evento, possibilitando uma avaliação preliminar dos danos e o levantamento inicial das  necessidades.

Para a elaboração de um diagnóstico complementar, uma ferramenta que pode ser utilizada como exemplo é o guia Avaliação de Danos e Análises de Necessidades de Saúde em situações de desastre. (EDAN, OPAS, 2010).

Apesar de esse documento estar focado nos aspectos relacionados à saúde, tal ferramenta metodológica é utilizada para conhecer o grau de impacto sofrido por uma população ocasionado por um evento adverso em determinados lugar e tempo. A metodologia consiste na identificação e no registro qualitativo e quantitativo da extensão, gravidade e localização dos efeitos de um evento adverso.

Os formulários utilizados para o levantamento dos danos dos desastres devem estar em formato simples e de fácil entendimento, a fim de que seu preenchimento pelo profissional designado seja feito de maneira rápida e eficaz.

São quatro os eixos de avaliação de danos e de análises de necessidades, apresentados no guia EDAN/OPAS (2010):

● Prioridades humanitárias: Saúde Pública (mortalidade e morbidade): presença de enfermidades ocasionadas diretamente pelo desastre ocorrido. Exemplo: em situações de enchentes ou inundações, a urina dos ratos, presente em esgotos e bueiros, mistura-se à enxurrada e à lama das enchentes.  acesso à água de qualidade;  acesso aos alimentos durante a emergência; e  situação dos abrigos.

● Infraestrutura pública vital: água potável;  drenagem; energia elétrica; e telecomunicação e transporte.

● Infraestrutura produtiva e os meios de vida: setor agropecuário (setor primário); setor industrial e manufatureiro (setor secundário); e setor bancário, turístico e comércio (setor terciário).

● Moradia e edificações públicas:  escolas;  hospitais;  clínicas; unidades de saúde; e presídios, entre outros.

A seguir você pode fazer o download do Formulário de Avaliação de Danos e Necessidades  Após Desastre, adaptado da metodologia EDAN. O Formulário está em português, em PDF editável.

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DANOS E NECESSIDADES